sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Eu, "branco de segunda” e “explorador de pretos”


Vai a televisão pública emitir uma série de programas sobre os portugueses que, depois da descolonização, regressaram da África portuguesa – como se não existissem, no tempo presente, melhores e actuais assuntos do interesse público …
Esse tempo, dos “retornados”, miseravelmente corridos a “toque de caixa” das terras que eram, para todos os efeitos, pátrias de adopção de muitos de nós, não pesam nas memórias da actual geração de portugueses, nada lhes diz, mas para quem sofreu as consequências de uma descolonização disparatada, é uma matéria sensível que ninguém deseja recordar.
Sem culpas no cartório, na matriz da minha consciência, durante vinte anos, plagiando Venicius de Moraes, fui “o branco mais preto de Moçambique”, “estatuto” que não me garantiu epítetos de lisonja, bem pelo contrário: em 1975, como se tivesse infestado de lepra, apelidaram-me de “branco de segunda” e “explorador de pretos”…
O destempero das palavras, ao invés  da malquerença, fez de mim um homem novo, fisicamente adaptado, emocionalmente não, NUNCA!