terça-feira, 5 de agosto de 2014

Sempre "fixe", giro e vivaço

O Renato é este jovem  "fixe, giro e vivaço" com quem me cruzei um dia em Oliveira do Hospital, na Livraria Apolo. Era estudante, mais tarde  seria engenheiro, confessou...
 Nasceu em Côja.
- Ai sim? - disse eu, alegre de mim  para mim, por ser conterrâneo de tão garboso jovem, rodeado de "miúdas", colegas da  Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital.... 
- Pertences a que família? , quis saber...
- Sou filho do Orlando.
- ... Castanheira?...
- Sim!
- Ohhh, sou amigo do teu pai há imensos anos, desde o tempo do conjunto musical  "pop king's". Grandes farras, Renato, podes crer...
Sorrimos ambos, partilhei confidências...
A conversa pode não ter sido textualmente  assim, mas andou perto - tão perto que me recordo de certos pormenores  sobre uma "tal miúda", cliente do RiTuAl Bar do meu tempo...
Depois, em Côja, eu e o Orlando falámos várias vezes sobre a vida académica do Renato...
Continuei a encontrar o meu jovem amigo, sempre "fixe", giro e vivaço, no bar  da Livraria Apolo, local de eleição da "malta" da ESTGOH, ou em Côja, na Boutique da Tuxa. Foi   aí que soube da sua intenção de seguir a carreira militar...
Às vezes, quando rodeado amigos,  não dava pela presença do Renato e era ele, sorridente  e simpático, que tomava a iniciativa do cumprimento - sempre "fixe", giro e vivaço!
Hoje, a meio da tarde, eu e o pai, chegámos ao mesmo tempo à ponte velha de Côja; parámos as viaturas, demos prioridade  a quem vinha em sentido contrário, o Orlando saudou-me num gesto largo e seguiu viagem, muito, muito  apressado...