sábado, 6 de fevereiro de 2016

.... de mão dada

Encontrei um pedaço de mim carregado de memórias, registadas com o preceito do pormenor,  numa agenda de 1965, escritas a partir  do dia 1 de Fevereiro daquele ano. Falam de amor,  do meu primeiro grande amor, as palavras imortais de um tempo único - continua único! 
Era  Maria, Maria Bertini (...), morena, mediana na altura, olhos azuis, de falas mansas e sorrisos radiosos...

(...) Diz-se que não há amor como o primeiro e é verdade. Há amores maiores, amores melhores, amores mais bem pensados e apaixonadamente vividos. Há amores mais duradouros. Quase todos. Mas não há amor como o primeiro. É o único que estraga o coração e que o deixa estragado. 

Miguel Esteves Cardoso, in 'Os Meus Problemas" 

... Ficou por cumprir o sonho de envelhecermos de mão dada.