sábado, 16 de abril de 2016

O "ti" Henrique em silêncio...

Aqui, http://calbertoramos.blogspot.pt/2016/03/saudades-de-um-burro.html pode ser lida uma estória sobre um burro que, em tempos, passava bem cedo na minha rua...
A carroça que puxava, como chegava, assim desaparecia - o incómodo maior resumia-se ao ruído das rodas (...) acordava-me com um barulho sem melodia.
Na estória faltou, propositadamente, o nome do dono do burro, o "ti" Henrique, antigo moleiro, com uma memória invejável para a sua avançada idade...
Ontem, o "ti" Henrique, por certo em silêncio, deixou de fazer parte do mundo dos vivos. Tinha 98 outonos, que passeou até há bem pouco tempo como se de (...) primaveras se tratasse.
Do "ti" Henrique guardo memórias bonitas, de quando era moleiro, no Colaço, na margem direita do "meu" rio, e eu muito menino - tão menino pelo espanto da mó que rodava "sozinha" e esmagava os grãos de milho.
... Ainda "sinto" o cheiro da farinha que vinha da moenda do "ti" Henriques...


Para sorrir...

Em maio de 2008 surripiei este texto "delicioso". Está de volta  com a intenção de fazer sorrir eventuais leitores/as - eu, em 2008, depois da leitura, gargalhei!


"Eu axo q os alunos n devem d xumbar qd n vam á escola. Pq o aluno tb tem direitos e se n vai á escola latrá os seus motivos pq isto tb é perciso ver q á razões qd um aluno não vai á escola. primeiros a peçoa n se sente motivada pq axa q a escola e a iducação estam uma beca sobre alurizadas.
Valáver, o q é q intereça a um bacano se o quelima de trásosmontes é munto montanhoso? ou se a ecuação é exdruxula ou alcalina? ou cuantas estrofes tem um cuadrado? ou se um angulo é paleolitico ou espongiforme? Hã? E ópois os setores ainda xutam preguntas parvas tipo cuantos cantos tem 'os lesiades', q é um livro xato e q n foi escrevido c/ palavras normais mas q no aspequeto é como outro qq e só pode ter 4 cantos comós outros, daaaah. Ás veses o pipol ainda tenta tar cos abanos em on, mas os bitaites dos profes até dam gomitos e a malta re-sentesse, outro dia um arrotou q os jovens n tem abitos de leitura e q a malta n sabemos ler nem escrever e a sorte do gimbras foi q ele h-xoce bué da rapido e só o 'garra de lin-chao' é q conceguiu assertar lhe com um sapato. Atão agora aviamos de ler tudo qt é livro desde o Camóes até á idade média e por aí fora, qués ver??? O pipol tem é q aprender cenas q intressam como na minha escola q á um curço de otelaria e a malta aprendemos a faser lã pereias e ovos mois e piças de xicolate q são assim tipo as pecialidades da rejião e ópois pudemos ganhar um gravetame do camandro. Ah poizé. tarei a inzajerar"?

sexta-feira, 15 de abril de 2016

terça-feira, 12 de abril de 2016

Eu & cª

Quem olha nem dá por ela, a idade.
A verdade  dos outonos é outra,
bem diferente do que parece aos olhos de quem vê,
sem ser preocupante
para quem olha
(quero dizer: a imagem é colorida...)
e para quem passeia outonos como se  de primaveras se tratasse
(quero dizer: com um "brilhozinho nos olhos"...).
São os outonos que  transformam frequências  audíveis em silêncios,
alteram as dioptrias das "cangalhas",
e fazem de uma pena  de pavão carrego de toneladas.
Como esta "sociedade" tem parceiros
na ordem dos milhões,
de ambos os sexos,
resta o "brilhozinho nos olhos".