terça-feira, 12 de julho de 2016

Tchaikovsky antes do jogo



Faz tempo, imenso tempo, que não assistia num “teatro a sério” a um espetáculo de excelência como “O Lago dos Cisnes”, organizado e apresentado pela  Academia de Bailado da Lousã.
Fui pela Nônô, uma “princesa malmequer” do bailado - personagem que lhe assenta que nem luva por ser, de facto, uma princesinha encantadora. Palavra de avô!
A graciosidade da Nônô e de todos os outros “cisnes” levou muitos espectadores (eu incluído) ao encantamento das emoções. Linda a festa daquela tarde domingueira - tão linda, que os aplausos não “tiveram fim”…
À hora certa chegou a bola, Portugal contra a França, luta de titãs. Sobre o jogo não é necessário acrescentar rigorosamente nada, já foi tudo dito. Parabéns aos milhões que somos, representados no talento, crença e sacrifício dos nossos atletas.
Viram a joelhada com que o jogador francês “atirou ao tapete” o Ronaldo? O Quico, atleta menino do Lousanense, foi aos arames:
- Deviam fazer o mesmo ao Griezmann - era a raivinha do Quico, da boca para fora, tal qual o avô (eu), danado num desabafo:
- Rua, “sô” árbitro. Isto é um assassino!
Apaziguador, o pai Carlo deitou água na fervura, que aquilo não foi propositado, coisas da bola, etc e tal. Pois…