sábado, 12 de novembro de 2016

Lembrar Renato Seabra...

O ano de 2016 está prestes a entregar a alma ao criador e Pedro Dias arrisca-se a ser a figura portuguesa mais badalada pelas razões   sobejamente  divulgadas - todas elas, as verdadeiras e as que não o são. Com o tempo,  as suas façanhas, depois de "recicladas", ficarão diluídas nas nuvens de todas as memórias  e é  bem possível que o sujeito envelheça numa  prisão psiquiátrica. Um dia, é capaz de andar à solta por aí - quem sabe?
A propósito de memórias: Renato Seabra, o assassino do Carlos de Castro em 2011 (lembram.se?), quem lhe traça o perfil de prisioneiro?  A estória macabra do crime hediondo talvez seja romanceada  numa  fita de cinema, à americana... 
- O eventual script de uma fita sobre  Pedro Dias é capaz de ter a assinatura do Correio da Manhã, o jornal...

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

O "pobre" senhor louro

A memória tem os seus dias para ser folheada e hoje é um deles.
Por mais voltas que dê à “enciclopédia”, não recordo nomes de atores portugueses que tenham passado a políticos com algum sucesso, embora Nicolau Breyner tivesse andado perto de o conseguir em Serpa, onde nasceu. Lá por fora, da Cicciolina, eleita para o parlamento italiano em 1987, a Ronald Reagan, presidente dos EUA entre 1981 e 1989, há imensa gente que viajou da arte do entretenimento para a política, como agora: um senhor louro, verdadeiro "self-made man", com gosto requintado quando se trata de escolher dama de companhia, prepara-se para governar o povo americano.
A Casa Branca, desta vez, vai ter uma "presidenta" interessante de se ver: a senhora Melania, 24 anos mais nova que o senhor louro, seu marido, que tem mais ou menos a minha idade - um "jovem ", claro!
O "pobre" senhor louro é um sortudo.
- E os  americanos idem, aspas,aspas. Ponto.