terça-feira, 25 de abril de 2017

.. e fui pela esquerda (...)

Por volta das oito da manhã, todos os dias, os gémeos cá de casa "batem" à porta do meu quarto e "falam" de mansinho, certamente com a intenção de lhes abrir a porta em sossego; de outro modo, eu em sobressalto,  sou (?) bem capaz de  barafustar  um raspanete ao estilo de um bruto,
- mas isto são horas de acordar um homem "justo"?
Já no quarto, os gémeos levantam a "voz", sem exageros, encaminham-se para a janela e  "suplicam" liberdade
- deixa-nos sair, dar uma volta...
- saltem - sei que uma  voltinha representa horas de passeio, mas se  são felizes assim...
Hoje, para cumprir o ritual, "obrigaram-me" a madrugar ainda o ponteiro das horas estava longe das oito. 
Estava num sonho tão lindo, quase real, e estes  "sujeitos" cortaram o fio à meada. "Zangado", atirei a roupa da cama  para o meu lado direito e fui pela esquerda abrir a porta do quarto.