quarta-feira, 19 de abril de 2017

Passeio noturno sem GPS

Os gémeos de quatro patas que tenho em casa, a noite passada, portaram-se mal - tão mal que me afastaram do sono. 
O passeio higiénico a seguir ao jantar, desta vez deu para o torto e os "meninos" possivelmente deixaram em casa o GPS  - é a única explicação que encontro para a noitada  fora de portas.
Pensando melhor: talvez  tenham encontrado  alguma princesa com bigodes; rom-rom para aqui, rom-rom para acolá e foram andando, andando até ao desnorte...
Por mais que chamasse pelos sujeitinhos, nada - nem um miau, a "dizer": estamos aqui, vamos já - é só o tempo de dar "cabo do canastro" ao ratito, que ainda mexe. Sim, estes "miúdos" adoram caçar, saem à mãe, a Satori, sobretudo o mais crescido no tamanho; crescido, sim, mas medricas que só visto.
Um dia da semana passada, estava eu ocupado nas minhas leituras quando   ouvi forte miauuuuuuu  aflitivo, ao jeito de pedido de socorro - “depressa, acudam aqui”!!!
Fechei o ASUS  à pressa, a "tia" gata Banzi  desceu as escadas  do primeiro andar numa correria, abri a porta que dá para o quintal  e avançámos, destemidos, pelo capim, (eu de) olhos postos  nos cocurutos das oliveiras, mas foi na pernada mais grossa da cerejeira que descobri o "medricas". Mais abaixo, um “gato mau”,  de pelo preto, "fuzilava com o olhar" o gémeo "Saguim". Do irmão, o "Tarzan", nem sinal! 
Deitei ao ar   dois ou três palavrões, o gato mau  “percebeu” que eu  também era "mau"(e dizia palavrões!), deu um salto acrobático digno de atleta circense e pirou-se.  
Na noite passada, como ia dizendo, se alguma coisa  má tivesse acontecido, não seria  por falta de  aviso, não : "olha o gato mau que te dá uma coça"; "não vás para longe, ainda és atropelado"; "nada de meiguices para quem não conheces, ainda te raptam" - coisas assim, de "tio" crescido...
Hoje, às oito da manhã, espreitei pela janela da marquise - lá estavam  os "meninos",  no telhado da churrasqueira, olhos fixos na janela: “então, não nos abres a porta"? Ai estão aí? - para castigo, é aí que vão continuar. Eu, o “tio” mau, o "castigador"!
Quando regressei ao meu quarto, estavam os dois sentadinhos no lado de fora,  no parapeito da janela, tristinhos, tristinhos....
Agora estão aqui, dormitam no sofá, ao meu lado.
...E ainda não puseram o "pé" na rua! É muito bem feito - quem os manda  andar na galderice?